quinta-feira, 17 de abril de 2014

Cena do filme WikiLeaks - O quinto poder




sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Adeus ano que vem

Uma pena pelos que partiram desta para melhor ou, infelizmente para pior. Foi um ano difícil para a maioria, mas foi maravilhoso para alguns privilegiados, sortudos, audaciosos e, sobretudo para um sem número de batalhadores e conquistadores contumazes, gente que conseguiu, nestes trezentos e tantos dias, realizar seus objetivos mais ansiados e poderá dizer à toda boca, de peito ventilado que este foi um ano supimpa.

Contrariando a propaganda política enganosa que diz que a vida de todo mundo vai melhorar, que o próximo ano será próspero, que você viverá muitos momentos de felicidade, dentre outros blá-blá-blás que permeiam as mensagens de cartões de natal e boas festas, as probabilidades de que tudo dê certo mesmo estão bem distantes da realidade e o futuro virá bem mais obscuro do que sonha a nossa vilã hipocrisia.

Eu desejo a todos, principalmente a todos os meus parentes, amigos e próximos, que continuem na vertical e respirando. Que uma bala perdida não os encontre, que ninguém ateie fogo no coletivo em que se espremam, quando voltarem de seus empregos. Que não percam os seus empregos e que seus filhos e filhas não vão à escola no dia em que o barranco desabar sobre ela, nem quando o maluco começar a atirar.

Anseio que tenhamos uma saúde de ferro e de primeiro mundo durante o ano inteirinho que virá. Que um dos trilhões de mosquitos da dengue não pouse em nós e mesmo assim, se pousar, que não nos pique. Que aja assim como o animal doméstico e de estimação que ele deveras é, tal e qual nossos cachorrinhos, gatinhos e outros "inhos" que jamais mordem a mão que os alimenta.

Quero também que nossos filhos nos peçam dinheiro para comprar bala e que não nos ameacem de nos enfiar bala, caso não dermos pra eles todo o nosso dinheiro para que comprem drogas. Que as nossas filhas não engravidem antes dos treze anos, Que elas não engravidem novamente, depois dos catorze. Quero mais que tudo que nossas crianças sejam crianças e, por Deus, cresçam.

Desejo demais que todos, principalmente eu, desliguem a televisão. Espero poder encontrar com todos, frente a frente pra gente trocar umas ideias, pra gente bater um papo legal. Espero que todos, principalmente eu, desliguem o celular, o computador... Que saiam da internet! ...Pelo menos na hora de nossas necessidades fisiológicas ou em alguma emergência, como, por exemplo, almoçar e jantar com a nossa família.

Desejo que o Brasil ganhe tudo, neste ano que vem, que é o ano da Copa do Mundo. Que ganhe educação, segurança e justiça. Anseio muito que ninguém tenha que perder a vida só porque caiu na besteira de ir ver uma inocente e divertida partida de futebol, no seu estádio superfaturado, pagando um ingresso ao valor de seus olhos da cara. Desejo que todos nós ganhemos vergonha na cara.

Quero de todo o meu coração que o ano que vem, cheio de mistérios e pré-visões devidamente estabelecidas, posto que, de tão corriqueiras são inevitáveis ano a ano, seja completo em seus doze meses vindouros. Que nosso mundo não se acabe, que sobrevivamos ao que nos aguarda. Por fim, ciente do que está por vir, das tormentas por quais passaremos, desejo ardentemente a todos que votem bem no ano que vem.

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

O roteiro

Estou escrevendo um roteiro cinematográfico. Um desafio proposto por uma amiga minha lá dos esteites, que mora ali, bem pertinho da rodoviária de Noviorque. Ela vai levar pro seu namorado, um produtor de TV e cinema de roliúde, dar uma avaliada, pra ver se a gente emplaca, para o ano, uma série ou um longa-metragem, quem sabe até uma trilogia. Quem pode saber lá se num dá certo, né não?

Então... A ideia é bastante original. Trata-se de um thriller de suspense, terror e ficção científica que se passa num futuro próximo, baseado em fatos reais. A minha intensão é tentar abordar um pouco (de uma maneira nunca antes feita na história do cinema nacional) da vida dos jovens adolescentes, estudantes do nível médio. Os tineigeres, como eles gostam de ser chamados. Minha amiga acha uma ideia extraordinária.

Basicamente é um negócio assim... bem diferente, sabe?! Resumindo, é a história de um grupo de alunos de uma raiscu, que são constantemente humilhados pelos que fazem parte do time de futebol americano e suas namoradas patricinhas, integrantes da Irmandade Alfa Beta Sigma Gama, uma sociedade secreta, que todo o campus e a pequena cidade de Liroutaum Baté conhece e esconde um segredo que só será revelado no final.

E tem um garoto que é nerde, sabe?! Um CDF idiota, mas que é super inteligente e tem poderes telecinéticos, mas ninguém percebe. E, além de não fumar maconha, como todo mundo da escola, ele também é o único virgem e ajuda a garota que ele é afim de pegar a conseguir namorar com o quarterbeque (zagueiro, pra quem num saca de americano). Só que ela entra para o grupo de líderes de torcida super gostosas que, na verdade são bruxas.

Aí eles vão pra uma ilha deserta onde, no passado, houve uma série de assassinatos inexplicáveis que até hoje estão sem solução. E o principal investigador do caso, hoje é um detetive particular alcoólatra, que só trabalha sozinho, depois que seu parceiro e sua esposa foram vítimas do serial quiler, estripador. Sacou o enredo? Os nerdes, a ilha e tal... Entendeu aí, como é que é o negócio?

Quando eles chegam na ilha, de noite, sob denso nevoeiro (aí vai ter umas cenas picantes de sexo, drogas e roquenrrol, mas nada assim que seja desaconselhável para menores de doze anos) vão tomar banho pelados num lago, aí percebem que não estão sozinhos... Bem, eu num vou contar tudo aqui não, porque senão perde a graça, né? O título é bem inovador também: O ataque dos tubarões vampiros, na ilha dos lobisomens zumbis, que tal?

sábado, 19 de outubro de 2013

FELINAS

O boca da gata que hoje beija é a mesma da onça que amanhã morderá.

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Vai se lascar Hollywood!

Cara eu fico muito puto com um específico clichê de filmes norte-americanos. Queria saber, somente pra eu dar-lhe um cotoco, quem foi o baitola desgraçado, imbecil que inventou a cena aonde pessoas agoniadas acham que vão escapar de quem as persegue fugindo pra cima.

Estão correndo no meio da rua aí entram num prédio e vão subindo as escadas até o terraço. O amaldiçoado do edifício tem mais ou menos uns troscunhancentos andares e o carai do perseguido, que deve ter uns dois mil e quatrocentos pulmões sobe aquela pustema, nas carreiras, pelas escadas e o magote vai todo atrás dele sem piscar os olhos, nem parar pra beber água. É de lascar, né não?

Chegou na torre, no topo, tu vai correr pra onde agora, miserável?

O pior que, se for o mocinho sendo perseguido, ainda escapa pulando pra outro prédio, se pendurando num fio de alta tensão que, só nele, não dá choque, se enfiando por uma janela de vidro que, só ele, não corta, se esborrachando no concreto que, só as costelas dele não quebram. Isso quando o cabra não pula do terraço do prédio, dentro de uma caçamba de lixo que só pode ser feito de espuma, porque ele sempre escapa sem nenhum arranhãozinho, só fedendo.

E o pior de tudo, depois desta fedorenta escapada ele ainda consegue pegar um táxi guiado por um porto-riquenho, que não se importa de levar aquele estranho, que tem uma ruma de sujeito correndo e atirando atrás dele. Sem falar que esse cara tá liso. Como é que vai pagar a corrida? Ah, vai se lascar Hollywood!